Pular para o conteúdo principal

Marina Magalhães | três poemas



Prelúdios do afogamento. Para violino.

Por fim, quando deixarás
de alimentar os teus naufrágios?
Me perguntaste sem saber
que tripulação alguma deseja a própria
morte. Nada
podem fazer se a carcaça,
já tão cheia de buracos,
continua
      sempre
           a afundar.
                  A marcha
                  fúnebre faz
                  glub.
                  glub.
                  g
                  l
                  u
                  b.

***********

Amor de prateleira

Os dias vêm sobrando,
transbordadas as horas pelo vidro.
Tempo deixado em conserva
é salgado demais para gente [hiper]tensa.
E amassados pelas quatro paredes,
a pressão só aumenta. O medo
não é que pare o coração.
É que ele escorra
para fora do copo de conserva,
licoroso sobre a estante. O resto
engarrafado em plástico sem rótulo.
Fosse ele a sobra desvalida.
Esquecido,
até passada a data de vencimento.

***********

Não posso me exilar de mim

Melhor seria dar adeus à nossa pátria,
é a história que vens narrando em voz de naufrágio.
Como se partir
fosse a métrica que te faltava ao poema.
E eu te respondi a pior das prisões
pode ser o próprio corpo, como a desmentir o poeta.
Que teu olho cerrado é fronteira fechada.
Que com sangue se paga taxa alfandegária.
Já não existe salvação para excomungados como nós,
mas tento resistir. Mesmo que continuemos
a conviver com nossos espíritos dentados,
palitando nas gengivas os fiapos de esperança.
Engolindo restos dessa carne velha.
É do passado que ainda me alimento. Entenda,
eu não posso me exilar de mim.
Por isso, não desterro.
Sem essa terra a lavrar fantasias,
meu espírito,
ele deglute-se de fome.

***********

Marina Magalhães nasceu em 1995, em Recife (PE). Hoje, mora na capital do Rio de Janeiro, onde estuda Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e tenta conciliar com o curso de Artes Cênicas e uma rotina de escrita. Mantém uma página no Medium com seus textos e tem poemas publicados pela Revista Mallamargens. Seu primeiro livro deve sair em 2021, se o mundo não acabar antes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica

Metade era
soco

outra metade
sopro

e tudo era tanto
pro meu coração
tão pouco
********** Tapera
O tempo é uma casa
desabitada e esquecida
no meio da estrada.

Quem passou por ela
e viu apenas uma
casa, na verdade não

viu nada.
********** Cânone

aquele poeta
e sua postura
quase mística

escreve
enchendo
linguística
********** Letal

aqueles seios bélicos
apontando seus bicos

...
pequenas torres
do desejo derretendo
em minha
boca ********** Esgrima

metade de mim
é um beco sem saída

caminho sem volta
traçado sem tropeço

lonjuras disfarçadas
desde o começo ********** Gravataria tropical

O homem nos tribunais de cada
dia. A mulher também. Porém,
em inumerável menor número.

Ele na gravata. Ela no salto.

(a vida, na aparência, é o lugar
onde tudo sorri)

A equivalência do salto com a
gravata. A abotoadura digital.
O perfume franco-chinês. Os
babados. Os clichês.

Os que buscam nos códigos
da justiça as leis do sangue
derramado...

Os donos da fome.
Os industriais da infâmia.
Os calhordas da nova ordem.

Os executores do estático
no mundo em movimen…

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui. Vamos juntos!

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo

Não serás feroz como esperam
os milhos estourados
do outro lado da jaula.
Dividirás teu bife
com as moscas.
Não rasgarás carnes
que não são caças,
nem copularás didática.
Às três da tarde
talvez demonstres
um mijo lateral,
teu sono de costas
com um rabo que não espanta
o tédio aos tapas -
mortífero aos pais
e suas crianças.

********** Ave

O tempo autoafirmado -
nunca terei uma irmã.
O tempo -
o que sei de ser mãe
é o que noto na minha.
Por entre as pernas,
as marionetistas
botam os seus bonecos
e gritam por eles -
o tempo!
Um parto sem filho -
sempre brinquei de viver
o que não me acontecia
e mantive meu corpo
intacto.
A arte me amará de volta
quando formos velhas?
Nunca saberei o que é ser uma galinha.
Nunca o que é
o próprio pinto entre as mãos.
********** Chá de bebê

Há tantos hormônios no ar
que preciso tomá-lo lá fora
pra não correr o perigo
de meu corpo ser induzido,
sincronizado a contragosto.
Isso já acontece na eliminação,
todas sabemos.
Será que também ocorre
o contágio do contrário?
Minha barriga está chapada …