Pular para o conteúdo principal

6 poemas de Fábio Pessanha


não aceito que a casa
sucumba à fome por
pessoas. não saio às ruas, não vejo
o sol lá fora, esqueço como se

monta num abraço. arde a
vontade por espaço.
o chão, o laço com quem nunca vi.
é quase como crer nos traços da

invisível mordaça
presenteada. quero,
deus, que seja o aceno no fim da rua
deserta. que o céu seja a cama que

me apanhe num mergulho
às avessas. e aqui,
nesse corpo insólito, é bom fazer
festa com o pouco que resta das horas.


**********

a palavra, esta marca
amarga, aquela ponte larga entre o
silêncio – o turvo enredo ao meio – e
a crise ruidosa da fala – da
grafia envenenada no papel – o
grito encrespado no vocábulo.

palavra:
de todos os nós

a que nunca desata.

**********

terrário
para Glória
de presente, um pedaço do mundo. um
pouco da terra. o extrato da vida.
o microcosmo num espaço de vidro.
a respiração. o peso pulsante
do ciclo restabelecido no
circuito das águas. um corpo que
se alarga pra dentro. leve no peito
tudo que for de muito. tudo quanto
for vivo no encanto do mundo. leve
consigo a respiração da terra, o
verde que é síntese e luz. de presente,
minha entrega. o desejo de colheitas,
o destino vindouro, o afeto que
plantamos. leve consigo o que não
sabemos das sementes por brotar;
o caule, o tronco, as folhas e as raízes...
leve o amor que precisa ser regado,
o fundo fosco do prato e, mais que
tudo, leve o futuro a ser plantado.

**********

euforia

dentro do teu olhar
uma faísca rubra
acende o peito eufórico
da palavra num verso

**********

i

acho que te escrevi
um poema por causa
do teu livro. acho que
te fiz umas imagens,
talvez também um livro.

ii

a gente se descobre
nesses lugares longes
onde ninguém se busca
e quase nunca estamos.

**********

a pele era toda suor num acúmulo
de sal que temperava o risco anônimo
das mãos. era um escândalo sentir esse
arranhão salobro ao longo das costas.
nenhum pedaço de pele escapava.
o território orgânico da dor
aumentava conforme se encravavam
estocadas durante o espaço enérgico
do tato. aquelas mãos eram tão cegas,
que erravam o destino escrito nas palmas.
deixavam uma coleção incompleta
de bocas se abrir para receber
o sabor adornado do poema.
aquelas mãos tomavam sal nos dedos,
com festejos onde os infartos desciam
por corações inchados. eram muitas
implosões malsucedidas. o peito
farto dessas dores se enchia de
poesia. a letra rasa do verso
respondia à tortura desses vãos,
que queriam agarrar a palavra
num verso qualquer. até idiomas
eram inventados para que coubessem
tumultos impossíveis nos pulmões.
mas a salinidade do poema
se impunha, seu gosto enchia de sede
a língua que se perdia na própria
saliva. não havia gesto que
fundisse a saciedade da sede
com a hipertrofia desses dedos que
se agarravam a qualquer resquício de
sílaba. nenhum pedaço de pele
escapava. nada que se dizia
encaixava no estranho mapa das
mãos. a pele calejada das palmas
se voltava contra os próprios incêndios.
queimava-se tudo: desde a derme
ao oxigênio, tudo que tangia
o comprimento dessa trama ígnea.
o poema crescia nesse invento
terrorista. queimava-se de tudo.
explodia-se o tenro sabor da
melodia. tacava-se sal nos
olhos do verso que se erguia, a fim
de assegurar a ruína que se
erigia. o poema então foi morto
vítima de sua própria elegia.

**********


Fábio Pessanha é poeta, doutor em Teoria Literária e mestre em Poética, ambos pela UFRJ. Publicou ensaios em periódicos sobre suas pesquisas, a respeito do sentido poético das palavras, partindo principalmente das obras de Manoel de Barros, Paulo Leminski e Virgílio de Lemos. É autor do livro A hermenêutica do mar – Um estudo sobre a poética de Virgílio de Lemos (Tempo Brasileiro, 2013) e coorganizador do livro Poética e Diálogo: Caminhos de Pensamento (Tempo Brasileiro, 2011). Assina a coluna “palavra : alucinógeno” na Revista Vício Velho. Tem poemas publicados nas revistas eletrônicas Diversos Afins, Escamandro, Ruído Manifesto, Sanduíches de realidade, Literatura & Fechadura, Gueto, Escrita Droide, Gazeta de Poesia Inédita, Mallarmargens e na própria Vício Velho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica

Metade era
soco

outra metade
sopro

e tudo era tanto
pro meu coração
tão pouco
********** Tapera
O tempo é uma casa
desabitada e esquecida
no meio da estrada.

Quem passou por ela
e viu apenas uma
casa, na verdade não

viu nada.
********** Cânone

aquele poeta
e sua postura
quase mística

escreve
enchendo
linguística
********** Letal

aqueles seios bélicos
apontando seus bicos

...
pequenas torres
do desejo derretendo
em minha
boca ********** Esgrima

metade de mim
é um beco sem saída

caminho sem volta
traçado sem tropeço

lonjuras disfarçadas
desde o começo ********** Gravataria tropical

O homem nos tribunais de cada
dia. A mulher também. Porém,
em inumerável menor número.

Ele na gravata. Ela no salto.

(a vida, na aparência, é o lugar
onde tudo sorri)

A equivalência do salto com a
gravata. A abotoadura digital.
O perfume franco-chinês. Os
babados. Os clichês.

Os que buscam nos códigos
da justiça as leis do sangue
derramado...

Os donos da fome.
Os industriais da infâmia.
Os calhordas da nova ordem.

Os executores do estático
no mundo em movimen…

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui. Vamos juntos!

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo

Não serás feroz como esperam
os milhos estourados
do outro lado da jaula.
Dividirás teu bife
com as moscas.
Não rasgarás carnes
que não são caças,
nem copularás didática.
Às três da tarde
talvez demonstres
um mijo lateral,
teu sono de costas
com um rabo que não espanta
o tédio aos tapas -
mortífero aos pais
e suas crianças.

********** Ave

O tempo autoafirmado -
nunca terei uma irmã.
O tempo -
o que sei de ser mãe
é o que noto na minha.
Por entre as pernas,
as marionetistas
botam os seus bonecos
e gritam por eles -
o tempo!
Um parto sem filho -
sempre brinquei de viver
o que não me acontecia
e mantive meu corpo
intacto.
A arte me amará de volta
quando formos velhas?
Nunca saberei o que é ser uma galinha.
Nunca o que é
o próprio pinto entre as mãos.
********** Chá de bebê

Há tantos hormônios no ar
que preciso tomá-lo lá fora
pra não correr o perigo
de meu corpo ser induzido,
sincronizado a contragosto.
Isso já acontece na eliminação,
todas sabemos.
Será que também ocorre
o contágio do contrário?
Minha barriga está chapada …