Pular para o conteúdo principal

6 poemas de Fábio Pessanha


não aceito que a casa
sucumba à fome por
pessoas. não saio às ruas, não vejo
o sol lá fora, esqueço como se

monta num abraço. arde a
vontade por espaço.
o chão, o laço com quem nunca vi.
é quase como crer nos traços da

invisível mordaça
presenteada. quero,
deus, que seja o aceno no fim da rua
deserta. que o céu seja a cama que

me apanhe num mergulho
às avessas. e aqui,
nesse corpo insólito, é bom fazer
festa com o pouco que resta das horas.


**********

a palavra, esta marca
amarga, aquela ponte larga entre o
silêncio – o turvo enredo ao meio – e
a crise ruidosa da fala – da
grafia envenenada no papel – o
grito encrespado no vocábulo.

palavra:
de todos os nós

a que nunca desata.

**********

terrário
para Glória
de presente, um pedaço do mundo. um
pouco da terra. o extrato da vida.
o microcosmo num espaço de vidro.
a respiração. o peso pulsante
do ciclo restabelecido no
circuito das águas. um corpo que
se alarga pra dentro. leve no peito
tudo que for de muito. tudo quanto
for vivo no encanto do mundo. leve
consigo a respiração da terra, o
verde que é síntese e luz. de presente,
minha entrega. o desejo de colheitas,
o destino vindouro, o afeto que
plantamos. leve consigo o que não
sabemos das sementes por brotar;
o caule, o tronco, as folhas e as raízes...
leve o amor que precisa ser regado,
o fundo fosco do prato e, mais que
tudo, leve o futuro a ser plantado.

**********

euforia

dentro do teu olhar
uma faísca rubra
acende o peito eufórico
da palavra num verso

**********

i

acho que te escrevi
um poema por causa
do teu livro. acho que
te fiz umas imagens,
talvez também um livro.

ii

a gente se descobre
nesses lugares longes
onde ninguém se busca
e quase nunca estamos.

**********

a pele era toda suor num acúmulo
de sal que temperava o risco anônimo
das mãos. era um escândalo sentir esse
arranhão salobro ao longo das costas.
nenhum pedaço de pele escapava.
o território orgânico da dor
aumentava conforme se encravavam
estocadas durante o espaço enérgico
do tato. aquelas mãos eram tão cegas,
que erravam o destino escrito nas palmas.
deixavam uma coleção incompleta
de bocas se abrir para receber
o sabor adornado do poema.
aquelas mãos tomavam sal nos dedos,
com festejos onde os infartos desciam
por corações inchados. eram muitas
implosões malsucedidas. o peito
farto dessas dores se enchia de
poesia. a letra rasa do verso
respondia à tortura desses vãos,
que queriam agarrar a palavra
num verso qualquer. até idiomas
eram inventados para que coubessem
tumultos impossíveis nos pulmões.
mas a salinidade do poema
se impunha, seu gosto enchia de sede
a língua que se perdia na própria
saliva. não havia gesto que
fundisse a saciedade da sede
com a hipertrofia desses dedos que
se agarravam a qualquer resquício de
sílaba. nenhum pedaço de pele
escapava. nada que se dizia
encaixava no estranho mapa das
mãos. a pele calejada das palmas
se voltava contra os próprios incêndios.
queimava-se tudo: desde a derme
ao oxigênio, tudo que tangia
o comprimento dessa trama ígnea.
o poema crescia nesse invento
terrorista. queimava-se de tudo.
explodia-se o tenro sabor da
melodia. tacava-se sal nos
olhos do verso que se erguia, a fim
de assegurar a ruína que se
erigia. o poema então foi morto
vítima de sua própria elegia.

**********


Fábio Pessanha é poeta, doutor em Teoria Literária e mestre em Poética, ambos pela UFRJ. Publicou ensaios em periódicos sobre suas pesquisas, a respeito do sentido poético das palavras, partindo principalmente das obras de Manoel de Barros, Paulo Leminski e Virgílio de Lemos. É autor do livro A hermenêutica do mar – Um estudo sobre a poética de Virgílio de Lemos (Tempo Brasileiro, 2013) e coorganizador do livro Poética e Diálogo: Caminhos de Pensamento (Tempo Brasileiro, 2011). Assina a coluna “palavra : alucinógeno” na Revista Vício Velho. Tem poemas publicados nas revistas eletrônicas Diversos Afins, Escamandro, Ruído Manifesto, Sanduíches de realidade, Literatura & Fechadura, Gueto, Escrita Droide, Gazeta de Poesia Inédita, Mallarmargens e na própria Vício Velho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor