Pular para o conteúdo principal

1 poema de Gabriel Morais Medeiros


Madrugada de quinta-feira, antes de subir ao ônibus São Paulo-Paraty, em julho de 2018

I

No terminal rodoviário do Tietê
leio no jornal: um pântano congelado há menos de um milênio
foi detectado enterrado
sob a calota polar setentrional de
              Desdêmona,
lua de Urano.

Sob o seu leito repousarão, em embalagens de óleo amniótico, cristalizável,
as mumificações de
             Gog e Magog,

entre túneis e calabouços metalíferos
e jazidas de
             insulfilm.

II

Não é exatamente a Terra
que é insubstituível:

irrecuperáveis são, antes, estas gengivas feitas de açúcar e goma-xantana,
e as dentadurazinhas de feltro comestível,

que escorrem pelas prateleiras de acrílico

do box onde se vendem jujubas,

e que ostentam, diante de nós, em sua avalanche preguiçosa,
cascatas de fobia melecada,
paralisante, balofa e sintética,

e rósea, rosadíssima, gorduchinha.

Embora nunca se enxerguem uns compradores,
e a loja de

hipopós,
minhoquinhas e
            yummies,
kirbies, dip-’n-licks,
pirocópteros, push-pops e
palhacitos de acerola e morango

esteja sempre vazia,
mantêm-se acesas, para
            sempre,

suas lâmpadas de isopor e azoto.

III

Na sexta, amanhã mesmo, tomarei o ônibus de volta de Paraty, ao crepúsculo.

Mandarei um vídeo de 

           cumbia jujeña

para minha namorada.

As luzes me serão, pouco a pouco, somente as fagulhas do whatsapp.

No visor, sobre a cabine do motorista –
telinha em formato de charuto –

perceberei a residência de um fantasma come-come.

Num alerta vagaroso,
a pequenina assombração compassadamente surgirá, em sua tarja pixelada,

para indicar aos sonolentos
a ocupação ou desocupação
do banheiro do cometão, aos fundos do
corredor.

Ao desaparecer o guloso ectoplasma do atari,
ao fim de seu trajeto de quarenta centímetros,

meu coração se ferirá com a sensação
de que terá havido uma cifra ou um segredo

para além das informações automáticas,
para além do “boa noite, passageiros”,

e para além, por fim, da impressão
de que a cabine estará trancada,

como cripta, cloaca ou
              fosso

              por Tranca-Rua-das-Almas.

IV

Para minha namorada,

a degustação de qualquer doçura
se lhe tornou proibitiva

desde que ela adoeceu, numa madrugada de noventa e oito,
e perdeu os

             pômulos.

Ela vinha apresentando sinais de enfermidade há muito

tempo,

só que eu acreditava que os sintomas não seriam
duradouros.

**********

Gabriel Morais Medeiros (Campinas,1988) é autor de "Andrômaca, quarenta semestres" (2016) e de "Pornografia em extinção" (2019), livros de poesia publicados pela Patuá. Trabalha como professor de literatura, principalmente no ensino médio, desde 2007. É responsável pela Ofícios Terrestres Edições, criada em 2019.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Esse sentimento de perda e angústia, numa viagem de comerão numa noite escura, lembrando de uma possível doença de sua namorada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica

Metade era
soco

outra metade
sopro

e tudo era tanto
pro meu coração
tão pouco
********** Tapera
O tempo é uma casa
desabitada e esquecida
no meio da estrada.

Quem passou por ela
e viu apenas uma
casa, na verdade não

viu nada.
********** Cânone

aquele poeta
e sua postura
quase mística

escreve
enchendo
linguística
********** Letal

aqueles seios bélicos
apontando seus bicos

...
pequenas torres
do desejo derretendo
em minha
boca ********** Esgrima

metade de mim
é um beco sem saída

caminho sem volta
traçado sem tropeço

lonjuras disfarçadas
desde o começo ********** Gravataria tropical

O homem nos tribunais de cada
dia. A mulher também. Porém,
em inumerável menor número.

Ele na gravata. Ela no salto.

(a vida, na aparência, é o lugar
onde tudo sorri)

A equivalência do salto com a
gravata. A abotoadura digital.
O perfume franco-chinês. Os
babados. Os clichês.

Os que buscam nos códigos
da justiça as leis do sangue
derramado...

Os donos da fome.
Os industriais da infâmia.
Os calhordas da nova ordem.

Os executores do estático
no mundo em movimen…

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui. Vamos juntos!

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo

Não serás feroz como esperam
os milhos estourados
do outro lado da jaula.
Dividirás teu bife
com as moscas.
Não rasgarás carnes
que não são caças,
nem copularás didática.
Às três da tarde
talvez demonstres
um mijo lateral,
teu sono de costas
com um rabo que não espanta
o tédio aos tapas -
mortífero aos pais
e suas crianças.

********** Ave

O tempo autoafirmado -
nunca terei uma irmã.
O tempo -
o que sei de ser mãe
é o que noto na minha.
Por entre as pernas,
as marionetistas
botam os seus bonecos
e gritam por eles -
o tempo!
Um parto sem filho -
sempre brinquei de viver
o que não me acontecia
e mantive meu corpo
intacto.
A arte me amará de volta
quando formos velhas?
Nunca saberei o que é ser uma galinha.
Nunca o que é
o próprio pinto entre as mãos.
********** Chá de bebê

Há tantos hormônios no ar
que preciso tomá-lo lá fora
pra não correr o perigo
de meu corpo ser induzido,
sincronizado a contragosto.
Isso já acontece na eliminação,
todas sabemos.
Será que também ocorre
o contágio do contrário?
Minha barriga está chapada …