Pular para o conteúdo principal

2 poemas de Vítor Guima


omissão

muitas vezes pa
ssei as tardes
zelando pelas cortinas

analisando as sombras
através dos panos
enquanto
decidia quais dos vidros
poderiam se tornar espelhos

Eros agonizava entre os suspensórios
e um pedaço do oráculo de Delfos discorria
sobre a posição correta das abóboras na fruteira

nos reflexos das pedras,
o calor dos tênis pendurados nos
fios de alta tensão pela janela do hotel

e naqueles dois mil quilômetros
entre adentrar meus templos
e bater as asas,
o discreto trejeito das pintas
ao esboçar um sorriso

**********

os espelhos

ao apagar as luzes
quantos reflexos estão a uma fagulha
da extinção?

é tão difícil parar de reparar
nas sombras dos quartos
formadas pela luz
dos corredores

parar de esperar uma
ventania que leve
o barulho daquela sirene que nunca
parou de tocar

qual poder é maior do que a representação?

partes de nós
precisam morrer para que
o resto viva
(mas talvez não
continuemos
vivendo muito
bem)
nas estimativas

diagramas de olhares
algoritmos de perfumes
hipóteses nas bocas

uma amálgama de prata e de poemas

dois labirintos
que levam à glória


**********

Vítor Guima é escritor, compositor e cineasta. Chamado de grande aposta da nova MPB pelo site Keeping Track e de promessa da MPB pelo Observatório de Música da UOL em 2019, seu álbum de estreia, O Estrangeiro, foi eleito um dos melhores discos nacionais do ano pelo Estadão. No cinema, Guima foi roteirista e diretor dos filmes Mônica e Rua Vergueiro. Na literatura, já teve poemas publicados em revistas como Mallarmargens, Acrobata e Ruído Manifesto. Seu primeiro livro de poemas A Morte da Graça no Baile dos Erros será publicado pela Editora Urutau em 2020.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E