Pular para o conteúdo principal

1 poema de Gabriel Morais Medeiros


Madrugada de quinta-feira, antes de subir ao ônibus São Paulo-Paraty, em julho de 2018

I

No terminal rodoviário do Tietê
leio no jornal: um pântano congelado há menos de um milênio
foi detectado enterrado
sob a calota polar setentrional de
              Desdêmona,
lua de Urano.

Sob o seu leito repousarão, em embalagens de óleo amniótico, cristalizável,
as mumificações de
             Gog e Magog,

entre túneis e calabouços metalíferos
e jazidas de
             insulfilm.

II

Não é exatamente a Terra
que é insubstituível:

irrecuperáveis são, antes, estas gengivas feitas de açúcar e goma-xantana,
e as dentadurazinhas de feltro comestível,

que escorrem pelas prateleiras de acrílico

do box onde se vendem jujubas,

e que ostentam, diante de nós, em sua avalanche preguiçosa,
cascatas de fobia melecada,
paralisante, balofa e sintética,

e rósea, rosadíssima, gorduchinha.

Embora nunca se enxerguem uns compradores,
e a loja de

hipopós,
minhoquinhas e
            yummies,
kirbies, dip-’n-licks,
pirocópteros, push-pops e
palhacitos de acerola e morango

esteja sempre vazia,
mantêm-se acesas, para
            sempre,

suas lâmpadas de isopor e azoto.

III

Na sexta, amanhã mesmo, tomarei o ônibus de volta de Paraty, ao crepúsculo.

Mandarei um vídeo de 

           cumbia jujeña

para minha namorada.

As luzes me serão, pouco a pouco, somente as fagulhas do whatsapp.

No visor, sobre a cabine do motorista –
telinha em formato de charuto –

perceberei a residência de um fantasma come-come.

Num alerta vagaroso,
a pequenina assombração compassadamente surgirá, em sua tarja pixelada,

para indicar aos sonolentos
a ocupação ou desocupação
do banheiro do cometão, aos fundos do
corredor.

Ao desaparecer o guloso ectoplasma do atari,
ao fim de seu trajeto de quarenta centímetros,

meu coração se ferirá com a sensação
de que terá havido uma cifra ou um segredo

para além das informações automáticas,
para além do “boa noite, passageiros”,

e para além, por fim, da impressão
de que a cabine estará trancada,

como cripta, cloaca ou
              fosso

              por Tranca-Rua-das-Almas.

IV

Para minha namorada,

a degustação de qualquer doçura
se lhe tornou proibitiva

desde que ela adoeceu, numa madrugada de noventa e oito,
e perdeu os

             pômulos.

Ela vinha apresentando sinais de enfermidade há muito

tempo,

só que eu acreditava que os sintomas não seriam
duradouros.

**********

Gabriel Morais Medeiros (Campinas,1988) é autor de "Andrômaca, quarenta semestres" (2016) e de "Pornografia em extinção" (2019), livros de poesia publicados pela Patuá. Trabalha como professor de literatura, principalmente no ensino médio, desde 2007. É responsável pela Ofícios Terrestres Edições, criada em 2019.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Esse sentimento de perda e angústia, numa viagem de comerão numa noite escura, lembrando de uma possível doença de sua namorada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor