Pular para o conteúdo principal

4 poemas de Divanize Carbonieri


Asfixia

asfixia das salas de estar
nossa onipresença ainda sã
passeia pelas peças tomadas
por tantos alvéolos flutuantes
num ar paralisado e viscoso

as vias que levam à varanda
também estão atravancadas
as mãos em torno da garganta
só não estrangulam a vontade
de apenas voltar a respirar

o pulmão fibroso aguarda
sobre a travessa de faiança
que o desfaçam em filetes
para alimentar os pássaros
pousados no nevoento quintal

muitas criaturas ainda vivem
embora a morte vã já tenha
contaminado nossas camas
conectadas que estamos aos
poucos respiradores de sonhos


o último sopro será dado
entre as parcas paredes
da casa prestes a sucumbir
enquanto os cães ocupam
o asfalto que cede sem nós


***********
Verniz

o ovo não escorregou da mão
nem foi o leite que se derramou
o pão não se perdeu para o bolor
nem a carne se encheu de vermes

se a comida permanece intacta
por que há a sensação de falta
uma escassez que não é de víveres
ameaça o verniz de normalidade

ninguém mais pode ser abraçado
nada agora ultrapassa a película
as pessoas são nomes deslizando
rápido pela tela do computador

um dia começa assim como termina
a roupa lavada e pendurada no varal
amanhã será recolhida ou talvez não
quando muito um sonho ou poema


**********
Pestilência 

se o elefante permanece aqui com toda sua força e peso
a mobília dessa casa se torna um estorvo
não há fresta que se abra para o dia
o que restava do ar está sendo sugado por sua tromba

as muitas formigas foram mortas por um tsunami de baygon
seus pequenos cadáveres pretos à vista
o esforço imenso que é recolhê-los
para não ter diante dos olhos nada que lembre a morte coletiva

livres de todo o malefício encontram-se apenas as árvores
plantadas sobre as costas das serpentes
esgueirando-se sinuosas e febris
pela dimensão do terreno cercado por muros altos e grades

a pestilência percorre as avenidas da cidade esvaziada
agarrados ao lombo das partículas de pó
os males encavalgam a atmosfera
esperando por aquela que arremete contra o seu destino


**********
Insignificante

durante essa quarentena
admiro as coisas mínimas
o insignificante saturado
do magma da experiência

numa das vigas de madeira
um gafanhoto na teia de aranha
tão verde quanto um broto
preso pelos fios das entranhas
de sua anfitriã e assassina

quando o vi já estava morto
não pude desemaranhá-lo
mas se pudesse qual seria
o outro alimento da aranha

enquanto eu comia e dormia
o destino desse gafanhoto
era selado na minha casa
no correr estático dos dias

enquanto eu me distraía
pensando em nossa penúria

          _

entretêm-se os deuses
e a teia volta a capturar


**********

Divanize Carbonieri é autora dos livros de poesia Entraves (2017), agraciado com o Prêmio Mato Grosso de Literatura, Grande depósito de bugigangas (2018), selecionado pelo Edital de Fomento à Cultura de Cuiabá/2017, A ossatura do rinoceronte (2020) e Furagem (2020), além da coletânea de contos Passagem estreita (2019), selecionada pelo Edital Fundo 2019/Cuiabá 300 anos. No Prêmio Off Flip, foi segunda colocada na categoria conto na edição de 2019 e finalista na categoria poesia nas edições de 2018 e 2019. É uma das editoras da revista literária digital Ruído Manifesto e integra o Coletivo Literário Maria Taquara, ligado ao Mulherio das Letras/MT. Seu site pode ser acessado aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E