Pular para o conteúdo principal

4 poemas de Divanize Carbonieri


Asfixia

asfixia das salas de estar
nossa onipresença ainda sã
passeia pelas peças tomadas
por tantos alvéolos flutuantes
num ar paralisado e viscoso

as vias que levam à varanda
também estão atravancadas
as mãos em torno da garganta
só não estrangulam a vontade
de apenas voltar a respirar

o pulmão fibroso aguarda
sobre a travessa de faiança
que o desfaçam em filetes
para alimentar os pássaros
pousados no nevoento quintal

muitas criaturas ainda vivem
embora a morte vã já tenha
contaminado nossas camas
conectadas que estamos aos
poucos respiradores de sonhos


o último sopro será dado
entre as parcas paredes
da casa prestes a sucumbir
enquanto os cães ocupam
o asfalto que cede sem nós


***********
Verniz

o ovo não escorregou da mão
nem foi o leite que se derramou
o pão não se perdeu para o bolor
nem a carne se encheu de vermes

se a comida permanece intacta
por que há a sensação de falta
uma escassez que não é de víveres
ameaça o verniz de normalidade

ninguém mais pode ser abraçado
nada agora ultrapassa a película
as pessoas são nomes deslizando
rápido pela tela do computador

um dia começa assim como termina
a roupa lavada e pendurada no varal
amanhã será recolhida ou talvez não
quando muito um sonho ou poema


**********
Pestilência 

se o elefante permanece aqui com toda sua força e peso
a mobília dessa casa se torna um estorvo
não há fresta que se abra para o dia
o que restava do ar está sendo sugado por sua tromba

as muitas formigas foram mortas por um tsunami de baygon
seus pequenos cadáveres pretos à vista
o esforço imenso que é recolhê-los
para não ter diante dos olhos nada que lembre a morte coletiva

livres de todo o malefício encontram-se apenas as árvores
plantadas sobre as costas das serpentes
esgueirando-se sinuosas e febris
pela dimensão do terreno cercado por muros altos e grades

a pestilência percorre as avenidas da cidade esvaziada
agarrados ao lombo das partículas de pó
os males encavalgam a atmosfera
esperando por aquela que arremete contra o seu destino


**********
Insignificante

durante essa quarentena
admiro as coisas mínimas
o insignificante saturado
do magma da experiência

numa das vigas de madeira
um gafanhoto na teia de aranha
tão verde quanto um broto
preso pelos fios das entranhas
de sua anfitriã e assassina

quando o vi já estava morto
não pude desemaranhá-lo
mas se pudesse qual seria
o outro alimento da aranha

enquanto eu comia e dormia
o destino desse gafanhoto
era selado na minha casa
no correr estático dos dias

enquanto eu me distraía
pensando em nossa penúria

          _

entretêm-se os deuses
e a teia volta a capturar


**********

Divanize Carbonieri é autora dos livros de poesia Entraves (2017), agraciado com o Prêmio Mato Grosso de Literatura, Grande depósito de bugigangas (2018), selecionado pelo Edital de Fomento à Cultura de Cuiabá/2017, A ossatura do rinoceronte (2020) e Furagem (2020), além da coletânea de contos Passagem estreita (2019), selecionada pelo Edital Fundo 2019/Cuiabá 300 anos. No Prêmio Off Flip, foi segunda colocada na categoria conto na edição de 2019 e finalista na categoria poesia nas edições de 2018 e 2019. É uma das editoras da revista literária digital Ruído Manifesto e integra o Coletivo Literário Maria Taquara, ligado ao Mulherio das Letras/MT. Seu site pode ser acessado aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica

Metade era
soco

outra metade
sopro

e tudo era tanto
pro meu coração
tão pouco
********** Tapera
O tempo é uma casa
desabitada e esquecida
no meio da estrada.

Quem passou por ela
e viu apenas uma
casa, na verdade não

viu nada.
********** Cânone

aquele poeta
e sua postura
quase mística

escreve
enchendo
linguística
********** Letal

aqueles seios bélicos
apontando seus bicos

...
pequenas torres
do desejo derretendo
em minha
boca ********** Esgrima

metade de mim
é um beco sem saída

caminho sem volta
traçado sem tropeço

lonjuras disfarçadas
desde o começo ********** Gravataria tropical

O homem nos tribunais de cada
dia. A mulher também. Porém,
em inumerável menor número.

Ele na gravata. Ela no salto.

(a vida, na aparência, é o lugar
onde tudo sorri)

A equivalência do salto com a
gravata. A abotoadura digital.
O perfume franco-chinês. Os
babados. Os clichês.

Os que buscam nos códigos
da justiça as leis do sangue
derramado...

Os donos da fome.
Os industriais da infâmia.
Os calhordas da nova ordem.

Os executores do estático
no mundo em movimen…

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui. Vamos juntos!

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo

Não serás feroz como esperam
os milhos estourados
do outro lado da jaula.
Dividirás teu bife
com as moscas.
Não rasgarás carnes
que não são caças,
nem copularás didática.
Às três da tarde
talvez demonstres
um mijo lateral,
teu sono de costas
com um rabo que não espanta
o tédio aos tapas -
mortífero aos pais
e suas crianças.

********** Ave

O tempo autoafirmado -
nunca terei uma irmã.
O tempo -
o que sei de ser mãe
é o que noto na minha.
Por entre as pernas,
as marionetistas
botam os seus bonecos
e gritam por eles -
o tempo!
Um parto sem filho -
sempre brinquei de viver
o que não me acontecia
e mantive meu corpo
intacto.
A arte me amará de volta
quando formos velhas?
Nunca saberei o que é ser uma galinha.
Nunca o que é
o próprio pinto entre as mãos.
********** Chá de bebê

Há tantos hormônios no ar
que preciso tomá-lo lá fora
pra não correr o perigo
de meu corpo ser induzido,
sincronizado a contragosto.
Isso já acontece na eliminação,
todas sabemos.
Será que também ocorre
o contágio do contrário?
Minha barriga está chapada …