Pular para o conteúdo principal

3 poemas de Lorena Grisi




Todo pó respirado contém oitenta genealogias.
Debaixo do osso, nervos adormecem.


**********
Sexta

Eu vi o mundo acabar um pouquinho,
mas tive de ir comprar frutas no supermercado,
era sexta,

eu vi.
Acabava sem fogo ou água,
penso nos tantos tolos
torcendo, agora tristes,
pobres, desde sempre.

Há fila
e as moças do caixa, todas elas,
agora são uniformizadas com laços e coques
nos cabelos.

Penso no que será de meus cabelos
e de meus ossos.

Foi pelo chão,
que se abriu, mas era sexta,
e a cada dia há mais gente
que trabalha três turnos.

Três são os restos do mundo,
guardemos em relicários:
dois dedos de terra,
rasgos de tecidos,
a memória dos dentes.

**********
Quadrinha da imunidade presidencial

Eu não morro de facada,
gripezinha não me pega.
Não tem nada a ver com classe,
é histórico de atleta.

**********

Lorena Grisi é escritora e vive em Salvador (BA). Tem formação em Letras pela Universidade Federal da Bahia e é revisora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano. Em 2019, foi selecionada para participar do projeto "Grafias eletrônicas", da Fundação Cultural do Estado da Bahia e do Instituto de Radiodifusão Educadora da Bahia, cujo vídeo está disponível em https://bit.ly/3aT8Iti. Tem poemas publicados na coletânea “Hilstianas vol. 1”, (Editora Patuá/Instituto Hilda Hilst), “Antologia Ruínas” (Editora Patuá) e “Terra, fogo, água, ar: coletânea lírica” (Edufba). Outras publicações que contêm sua participação estão no prelo, a serem lançadas em 2020: coletânea “Mulherio das Letras” (Editora In-Finita) e Revista Torquato. Foi o quarto lugar do Prêmio Castro Alves de Literatura 2020, da Academia Teixerense de Letras (BA), recebendo menção honrosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E