Pular para o conteúdo principal

3 poemas de Lorena Grisi




Todo pó respirado contém oitenta genealogias.
Debaixo do osso, nervos adormecem.


**********
Sexta

Eu vi o mundo acabar um pouquinho,
mas tive de ir comprar frutas no supermercado,
era sexta,

eu vi.
Acabava sem fogo ou água,
penso nos tantos tolos
torcendo, agora tristes,
pobres, desde sempre.

Há fila
e as moças do caixa, todas elas,
agora são uniformizadas com laços e coques
nos cabelos.

Penso no que será de meus cabelos
e de meus ossos.

Foi pelo chão,
que se abriu, mas era sexta,
e a cada dia há mais gente
que trabalha três turnos.

Três são os restos do mundo,
guardemos em relicários:
dois dedos de terra,
rasgos de tecidos,
a memória dos dentes.

**********
Quadrinha da imunidade presidencial

Eu não morro de facada,
gripezinha não me pega.
Não tem nada a ver com classe,
é histórico de atleta.

**********

Lorena Grisi é escritora e vive em Salvador (BA). Tem formação em Letras pela Universidade Federal da Bahia e é revisora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano. Em 2019, foi selecionada para participar do projeto "Grafias eletrônicas", da Fundação Cultural do Estado da Bahia e do Instituto de Radiodifusão Educadora da Bahia, cujo vídeo está disponível em https://bit.ly/3aT8Iti. Tem poemas publicados na coletânea “Hilstianas vol. 1”, (Editora Patuá/Instituto Hilda Hilst), “Antologia Ruínas” (Editora Patuá) e “Terra, fogo, água, ar: coletânea lírica” (Edufba). Outras publicações que contêm sua participação estão no prelo, a serem lançadas em 2020: coletânea “Mulherio das Letras” (Editora In-Finita) e Revista Torquato. Foi o quarto lugar do Prêmio Castro Alves de Literatura 2020, da Academia Teixerense de Letras (BA), recebendo menção honrosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor