Pular para o conteúdo principal

5 poemas de André Merez


canto do oleiro

No barro,
navega o gesto,
o ventre liso da
terra, sua forma
imprevista estuda
o ângulo do braço,
gira em contorno e
a molda definitiva.

No torno,
nem um meneio,
um respiro preso,
o respeito ao ato,
o resto do respiro
e uma vida
na lida com o método,
na luta leve, o equilíbrio.
Não há pressa no ofício,
há engenho, um segredo.

No forno,
incandesce sua carne
e luz e fogo se unem,
corpo vivo em brasa.
Reluz a alma do barro,
vive sua origem maior
em brasa e se enrijece.

Na calma,
depois do fogo extinto,
depois do calor calado,
não deixa de ser barro,
no entanto é outra arte,
une o homem e a terra,
o profano e o sagrado.

**********

na última sessão do dia

Dorme,
dorme tudo o que se retira,
a fatia do dia, a faca, a fala
e o que é da vertigem real.

Dorme,
dorme o que queria, alçava,
a morte esquecida na tarde,
a triste tarde de sonolências.

Dorme,
Morfeu versado em Tânato,
esquece o dia, abraça a noite,
a sua mãe desesperada e fria
também dorme e, ao dormir,
alcança a eternidade desejada.

Como jamais se dormiu,
dorme todo, dorme inteiro,
fecha esses olhos definitivos,
encerra o mundo e seus ares,
encerra a fome de vida, a lida
e vai descansar de si mesmo.

Procura no sono absoluto
a absoluta ausência de si,
habita o longe, o longo e
vive esse mistério póstumo.

Medita, monge transfigurado,
na última sessão do seu dia e
no lótus perdido já reclamado,
dorme
    e morre
          e descansa
                   e mais nada.

***********

concessão


Este tempo em que vivo,
a suposta e adivinhada
permissão para vivê-lo.

Seu gosto, textura e cheiro.

Os avanços e vertigens,
seus meneios e demoras,
suas horas
abruptas,
seus olhos
acurados.

Olha-me ele
mais que eu possa sabê-lo.
Admira-me,
admiro-o e
baixamos ambos nossos olhos.

Prefiro não o calcular,
quero ser no tempo,
      ir no tempo
para não escravizá-lo,
até não me escravizar.

E breve,
e longo,
e música e vento,
compreender sua natureza de corcel livre,
sua feição de morte, seu ar de nascimento.

***********

muy viejo


Quando eu estiver velho,
velho como o Parra,
quero fazer uma fogueira
e queimar, um a um,
todos os desejos adiados.

***********

noturno


Eu quero ver a noite,
caminhá-la,
atravessá-la sem medo
e sem vozes,
fruí-la em suas vagas,
voá-la em seus ventos
e alcançá-la absurda.

A noite funda,
lá onde tudo descansa,
onde ninguém alcança,
em horas quase amenas
a noite afunda,
eleva seu arco,
estende os braços e cai.

Depois de tudo,
e a noite vazada,
chego ao seu fim.

Lá onde não há mais noite,
esse lugar de outros lugares,
outras noites mais distantes,
os azuis dilatam, o céu acaba
e tudo o que ninguém soube
revela-se no sumo da aurora.

**********

André Merez nasceu na capital paulista em 1973. Iniciou como letrista e contrabaixista das bandas Cathedral e Siso Símio nas décadas de 80 e 90. Cursou Letras e fez pós-graduação em Língua Portuguesa na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Na graduação realizou pesquisa sobre o discurso do poder na obra de Plínio Marcos e na pós graduação defendeu tese sobre as relações entre o processo inferencial e as questões de interpretação de texto na verificação de aproveitamento de leitura. Leciona Teoria da Literatura e Gramática há mais de 15 anos e desenvolve pesquisas sobre música, artes plásticas e poesia. Autor dos livros Vez do Inverso (Editora Patuá, 2017) e Perfeição Acidental (inédito). Já teve seus poemas publicados em diversas revistas de literatura e poesia no Brasil e em Portugal como Ruído Manifesto, Mallarmargens, Poesia Primata, Gueto, Germina, Usina de Letras, Escrita Droide. É editor da revista Poesia Avulsa.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo Não serás feroz como esperam os milhos estourados do outro lado da jaula. Dividirás teu bife com as moscas. Não rasgarás carnes que não são caças, nem copularás didática. Às três da tarde talvez demonstres um mijo lateral, teu sono de costas com um rabo que não espanta o tédio aos tapas - mortífero aos pais e suas crianças. ********** Ave O tempo autoafirmado - nunca terei uma irmã. O tempo - o que sei de ser mãe é o que noto na minha. Por entre as pernas, as marionetistas botam os seus bonecos e gritam por eles - o tempo! Um parto sem filho - sempre brinquei de viver o que não me acontecia e mantive meu corpo intacto. A arte me amará de volta quando formos velhas? Nunca saberei o que é ser uma galinha. Nunca o que é o próprio pinto entre as mãos. ********** Chá de bebê Há tantos hormô nios no ar que preciso tomá-lo lá fora pra não correr o perigo de meu corpo ser induzido, sincronizado a contragosto. Isso já acontece na eliminação, todas sabemos. Se

6 poemas de Ricardo Escudeiro

scorpion faz então uma lista de antagonistas dos mortos vivos conta pra gente dos prós e dos contras das maneiras pelas quais o que somos enquanto fim é processado tem aquele que sabe do preparo de rostos pra cortejos quem inventou que isso fosse um emprego e não uma situação desconfortável ele dizia pra gente de uma história de uma coxia de incinerar e da véspera das faces em sua intensa espera tudo isso acaba deixando a gente pra baixo será que convém trocar a pele dos nossos mortos antes de assoprá-los é bem provável ********** lynch no céu tudo está bem desde que a entidade no planeta que às vezes pode ser o prédio ao lado ou o flare de uma tradicional empresa de derivados petroquímicos ou mesmo a cabeça de um neném transformada num planeta que se parte ao meio desde que essa entidade em alguns sites em certos sítios já chamada de o homem no planeta o homem doente na cabana ou veja só ah não se sabe bem do que se trata desde que essa entidade se mantenha a si numa