Pular para o conteúdo principal

4 poemas de Franck Santos


Cena 13:

Desperto às cinco da manhã para perceber que na minha rua já ninguém dorme de janelas abertas
Quantas pessoas desertaram?
Nesses amanheceres de dias vazios o tempo não tem asas
Tenho membros pesados como os dos sonâmbulos ou dos afogados
Sinto-me um inseto enorme sem cérebro.
Ensinem-me de novo a respirar, caminhar por ruas movimentadas, olhar janelas abertas, sem tédio ou morte ou desertores.
Nessas manhãs que a solidão come sucrilhos e maças argentinas, contemplo nas janelas fechadas, nas flores, nos ossos que aparecem sob a pele como após uma longa doença
Camadas de orvalhos
E canto baixinho uma canção de amor.


************

Para não morrer tanto

Este tempo é de coisas que nos deformam
Como seres das espécies pelágicas
Vivemos acima dos sedimentos
Mas ainda há pele tua sobre os lençóis, nos discos acumulados, nas fotografias, nos meus dentes.
Seremos sempre deslocados na geografia
Como a cicatriz que deixaste, como uma tatuagem, uma explosão, uma catástrofe,
O lobo que fugiu da sua alcateia
E guardei no pulmão.
Das viagens guardo recordações que agora vão preenchendo as paredes
Quase como a massa de água dos oceanos
Mas ainda compro flores, ameixas, melancias, morangos e tangerinas
Antes que a esperança não seja só o calendário
O verão vá embora e leve esse cheiro de chuva e maracujá dos nossos corpos.
Para não morrer tanto
Deixarei acesa a lâmpada do corredor
Doce de caju na geladeira
Tudo que é de algodão nos armários do quarto
Nossa serenidade sem paralelo.

***********

Os olhos de minha avó

Houve um tempo em que eu não amava ainda
Mas as canções de amor traziam em mim uma nostalgia longínqua
Longínqua como os olhos de minha avó
Aos sessenta e cinco recordando os dezesseis.
Eu disse-lhe: não é você, é outra aquela que se esgueira defronte seus olhos.
Mas ela insiste em dizer: sou eu mesma.
Há quem nasça com a dor dentro de si
Como a semente de memórias.
Não quero aos sessenta e cinco recordar meus dezesseis
Minha dor é a de hoje
Não a dos anos longínquos
Em que não serei mais eu.

**********

A visita

Na tarde que Matilde me visitou
Encontrou-me folheando revistas e vendo programas na tevê sobre decoração de interiores.
Caia uma tempestade sobre a cidade.
Ficamos olhando o espetáculo da chuva e dos raios que acontecia ao nosso alcance
Na varanda onde ficamos.
A maquiagem de Matilde permanecia intacta sob a chuva.
Na tarde que Matilde me visitou e eu estava folheando revistas e vendo programas na tevê sobre decoração de interiores
Disse que não queria mais saber de casas perfeitas, reformas espetaculares e de programas sobre o assunto.
Recomendou-me Piet Outot e seu conceito de ver beleza na feiura
Nas flores que estão murchando
Que a ideia de beleza não pode ser previsível, que eu desconfiasse das palavras belo e delicado.
Na tarde que Matilde me visitou
Sua maquiagem permaneceu intacta sob a chuva e tive uma vontade insana de convidá-la para comer rabanadas, nem era natal.
Encostei devagar minha urgência no vazio da tarde, na tempestade, no brilho dos trovões, dos raios, no rosto maquiado de Matilde.

***********

Franck Santos é um homem comum, ilhado em São Luís, cidade esta que tem mar, porto, muitas histórias, sol e céu azul o ano inteiro, mas prefere dias nublados e chuvosos, uma casa no campo, vinho e blues.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor