Pular para o conteúdo principal

Cecília Lobo | seis poemas


Troca de passes

Há algo de futebolístico
Vende-se compra-se
Um passe aqui outro ali
Era juiz virou ministro
Era parceiro agora crítico
Troca-troca de legendas
Muitos símbolos
Mesmos significados
Remanejando numa luta
Digna da bolsa de valores
Os salários
Cargos
E peixadas
Desses homens
Furiosos

************

Memória


Mudar todos os nomes
De ruas, avenidas, viadutos
Condenar os algozes
Ainda que velhos ou mortos
Queimar seus retratos
Em praça pública
Desenterrar corpos e arquivos
Chamar as coisas pelos nomes certos
Golpe de estado
Tortura
Assassinato
Censura
Ditadura
Lembrar
O tempo todo

*************

Ventre livre


Quanto a nós
As mulheres
Há que se tentar
Viver solta
Para evitar
Morrer
De prisões
***********

Em
Tremores
Pupilas
Pausas
Ênfases
Pés
Gestos
Bocas
Tudo que somos
Nos trai
Discretamente

*************

Crua


E esse desejo sempre sobra
Transcendendo metáforas
Se fosse fome
Seria desespero
Seria com a daquele filme que você me fez ver
Luxúria e asco e excesso
E se fosse água
Torrente dilúvio naufrágio sinal dos tempos
[fins de mundos
Mas se fosse sede
Secava tudo
Se fosse terra
Tremor
Derrubando edifícios
Por isso talvez eu sentisse como que
Uma vertigem ao contrário
Sentada na varanda olhando pra cima
Aterrorizada que a gente causasse o terremoto final
Que arrasasse a cidade inteira
E se fosse fogo
Devastação total
Que começa na fricção da minha pele sobre o lençol azul
Enquanto observo a ponta incandescente do seu cigarro
Na madrugada muito escura
Eu incêndio te olhando fogo
Mas como é amor
A gente consegue dormir e descansar
E esperar que o sol saia de novo
Que o mundo nos cobre prazos e presenças
E como é também saudade
Volto

************

A cidade
Vaga poesia
De tédio
E delírio
De luta
E de ócio
Abandonada
Aos urubus
Que planam sobre o Arrudas

***********

Cecília Lobo veio ao mundo numa sexta-feira 13, na cidade de Belo Horizonte, cenário que inspira muito de sua produção poética. É mãe, anarquista, e faz parte do time de poetas da Fazia Poesia. Seu primeiro livro, Inflamáveis, venceu o concurso Poesia Incrível de 2019, e foi lançado em Dezembro do mesmo ano pela editora Crivo, em parceria com a Fundação Municipal de Cultura. Atualmente trabalha em seu segundo livro de poesias e em seu primeiro romance, e divulga seus poemas em https://medium.com/@marealta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica Metade era soco outra metade sopro e tudo era tanto pro meu coração tão pouco ********** Tapera O tempo é uma casa desabitada e esquecida no meio da estrada. Quem passou por ela e viu apenas uma casa, na verdade não viu nada. ********** Cânone aquele poeta e sua postura quase mística escreve enchendo linguística ********** Letal aqueles seios bélicos apontando seus bicos ... pequenas torres do desejo derretendo em minha boca ********** Esgrima metade de mim é um beco sem saída caminho sem volta traçado sem tropeço lonjuras disfarçadas desde o começo ********** Gravataria tropical O homem nos tribunais de cada dia. A mulher também. Porém, em inumerável menor número. Ele na gravata. Ela no salto. (a vida, na aparência, é o lugar onde tudo sorri) A equivalência do salto com a gravata. A abotoadura digital. O perfume franco-chinês. Os babados. Os clichês. Os que buscam nos códigos da justiça as leis do sangue derramado... Os donos da fome. Os in

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo Não serás feroz como esperam os milhos estourados do outro lado da jaula. Dividirás teu bife com as moscas. Não rasgarás carnes que não são caças, nem copularás didática. Às três da tarde talvez demonstres um mijo lateral, teu sono de costas com um rabo que não espanta o tédio aos tapas - mortífero aos pais e suas crianças. ********** Ave O tempo autoafirmado - nunca terei uma irmã. O tempo - o que sei de ser mãe é o que noto na minha. Por entre as pernas, as marionetistas botam os seus bonecos e gritam por eles - o tempo! Um parto sem filho - sempre brinquei de viver o que não me acontecia e mantive meu corpo intacto. A arte me amará de volta quando formos velhas? Nunca saberei o que é ser uma galinha. Nunca o que é o próprio pinto entre as mãos. ********** Chá de bebê Há tantos hormô nios no ar que preciso tomá-lo lá fora pra não correr o perigo de meu corpo ser induzido, sincronizado a contragosto. Isso já acontece na eliminação, todas sabemos. Se

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui . Vamos juntos!