Pular para o conteúdo principal

Cecília Lobo | seis poemas


Troca de passes

Há algo de futebolístico
Vende-se compra-se
Um passe aqui outro ali
Era juiz virou ministro
Era parceiro agora crítico
Troca-troca de legendas
Muitos símbolos
Mesmos significados
Remanejando numa luta
Digna da bolsa de valores
Os salários
Cargos
E peixadas
Desses homens
Furiosos

************

Memória


Mudar todos os nomes
De ruas, avenidas, viadutos
Condenar os algozes
Ainda que velhos ou mortos
Queimar seus retratos
Em praça pública
Desenterrar corpos e arquivos
Chamar as coisas pelos nomes certos
Golpe de estado
Tortura
Assassinato
Censura
Ditadura
Lembrar
O tempo todo

*************

Ventre livre


Quanto a nós
As mulheres
Há que se tentar
Viver solta
Para evitar
Morrer
De prisões
***********

Em
Tremores
Pupilas
Pausas
Ênfases
Pés
Gestos
Bocas
Tudo que somos
Nos trai
Discretamente

*************

Crua


E esse desejo sempre sobra
Transcendendo metáforas
Se fosse fome
Seria desespero
Seria com a daquele filme que você me fez ver
Luxúria e asco e excesso
E se fosse água
Torrente dilúvio naufrágio sinal dos tempos
[fins de mundos
Mas se fosse sede
Secava tudo
Se fosse terra
Tremor
Derrubando edifícios
Por isso talvez eu sentisse como que
Uma vertigem ao contrário
Sentada na varanda olhando pra cima
Aterrorizada que a gente causasse o terremoto final
Que arrasasse a cidade inteira
E se fosse fogo
Devastação total
Que começa na fricção da minha pele sobre o lençol azul
Enquanto observo a ponta incandescente do seu cigarro
Na madrugada muito escura
Eu incêndio te olhando fogo
Mas como é amor
A gente consegue dormir e descansar
E esperar que o sol saia de novo
Que o mundo nos cobre prazos e presenças
E como é também saudade
Volto

************

A cidade
Vaga poesia
De tédio
E delírio
De luta
E de ócio
Abandonada
Aos urubus
Que planam sobre o Arrudas

***********

Cecília Lobo veio ao mundo numa sexta-feira 13, na cidade de Belo Horizonte, cenário que inspira muito de sua produção poética. É mãe, anarquista, e faz parte do time de poetas da Fazia Poesia. Seu primeiro livro, Inflamáveis, venceu o concurso Poesia Incrível de 2019, e foi lançado em Dezembro do mesmo ano pela editora Crivo, em parceria com a Fundação Municipal de Cultura. Atualmente trabalha em seu segundo livro de poesias e em seu primeiro romance, e divulga seus poemas em https://medium.com/@marealta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor