Pular para o conteúdo principal

Jennifer Trajano | cinco poemas


lua não amanhece

sereno envelhece
a terra de mim
estandarte há aqui
e não deveria

é de branco que fazia
genocídio de xamã
bíblicos versículos
gerando ira em tupã

girando mira
na fé de si
tira tirania
que atira sangue

vermelha o verde
da bandeira
(esse símbolo
que nem é daqui)

*********

sussurro


a mata me clama
quando te clamo

vento queima no
vaga-lume que sou

quando
suo em ti

a mata me chama
quando te chamo

ilya descobre nela
e faísca em mim

**********

jazida


folhas secas minam
as presas dos felinos
nas caças florestais

terra, fome, ais
mira que não some
das favelas sociais

**********

fuga


gorila batendo
em peito de diamante

troca a pele
corta o instante

repele o pó de
vidro distante

porque o caco de dentro
perdeu-se nos dedos

**********

cicatriz


uma escrava chora no tronco:
chibatada utópica do regresso

grosso, morto, oco, tão eco
como o grito em alvoroço

do tigre que não cessa
no fundo do poço

**********

Engenheira de ilusões, natural de João Pessoa - PB, professora de língua portuguesa e revisora textual, Jennifer Trajano é autora de "Latíbulos" (Editora Escaleras, 2019).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E