Pular para o conteúdo principal

Lucas Grosso | sete poemas


Fresta

Em uma fresta na janela do banheiro
entram durante o banho
ar e memórias
entra um cheiro de peido
e a palavra que o gás designa
a oração de são Francisco
dúvidas e fé
Manuel Bandeira
um útero
um punho
um útero do tamanho de um punho
Angélica Freitas comendo alcachofras
e também
Lou Albergaria
entra uma tia fumando cigarros num ano novo em Itanhaém
entram gotas de homeopatia
xarope de hera
o girassol do Alceu Valença
e a morena tropicana

entram pelos ouvidos
pedem um orçamento
na oficina do diabo
e morrem
descendo pelo ralo
com a espuma do xampu,

***********

As pedras

O mundo está gritando
mas você não escuta porque
está muito ocupado quebrando
as pedras da calçada
vazia

O mundo está gritando
mas você não escuta porque
está muito ocupado limpando
as pedras do terreno
baldio

O mundo está gritando
mas você não escuta porque
está muito ocupado carregando
as pedras da obra
abandonada

O mundo está gritando
mas você não escuta porque
está muito ocupado procurando
as pedras de um rim
operado

O mundo está gritando
mas você não escuta por causa
das pedras
das pedras que

você


***********

Hora


Chegou a hora de pararmos de brincar
que somos soldados de plástico do forte apache;
chegou a hora de pararmos de pensar
que nossas palavras sejam as pedras do asfalto;
chegou a hora de pararmos de crer
que nossos discursos dos almoços de domingo ecoarão;
chegou a hora de pararmos de pregar
missais romanos para os periquitos empoleirados nos parques;
chegou a hora de pararmos de escrever
manifestos sociais à giz nas avenidas de madrugada;
chegou a horar de pararmos de perder
nosso tempo contando as letras de palavras proparoxítonas;
chegou a hora de pararmos de fingir
que nossos gritos de surpresa e dor são sinceros;
chegou a hora de pararmos de rir
diariamente das formigas que insistem em invadir açucareiros;
chegou a hora de pararmos de insistir
em erguer pontes estaiadas com cabos de macarrão instantâneo.

Você não está escutando
os ruídos que os pés descalços estão fazendo
nessa estrada de terra seca?

Você não está vendo
as sombras que as mãos erguidas estão produzindo
nessa parede de cimento queimado?

As horas mudaram
como mudam as nuvens de forma quando
depois de um terrível calor
se avizinha uma tempestade.

Olhar as mudanças com olhos de microbiologista
e operar os vindouros com mãos de carpinteiro
é a verdadeira arte que acontece agora.

***********

Solidão


quero reinventar a palavra solidão
palavra que não descreve o fátuo
ato de desejar e desistir
em meio a tantos amigos de ocasião

quero reinventar a palavra solidão
que não serve mais para dizer
o que é que paira no ar
depois de algumas horas de transformação

quero reinventar a palavra solidão
que está desgastada e insuficiente
e que não mais nomeia o espectro
de um tempo de isolamento e distração

***********

Infância


quando eu juntar todas as letras
que forma a palavra infância
infância não mais será
são poucos os tipos
da palavra
como são poucos os anos
do principiar
mas são ambos os casos
um montante suficiente
para uma nova organização
do que em essência ainda sendo
o que foi no começo
agora
outra coisa
será

talvez o mosaico que surja
primeiro não signifique muito
mas a raiz decomposta
estará lá
estarão lá a infância
os anos
e a palavra
bastará apenas
procurar

***********

o tempo
      passa como
        o balanço de
      uma
rede

o tempo permite
      quebrar o
tempo em
   grãos e
  sementes

o tempo
   fala como o
   acalanto de
       namorados

o tempo é
uma flanela
 nos dias
frios

************

uma garrafa de vinho
com uma xícara no gargalo
como um soldado
me vigiando os paços

dois bambus crescendo
numa garrafa de suco
jiboias em garrafas de cerveja
e um mamoeiro em
um vaso de barro

composição de uma florestinha
contra a selva de
canteiros de obra
que nos cerca

************

Lucas Grosso é o autor dos livros de poesia Nada (Patuá, 2019) e Hinário Ateu (Urutau, no prelo). Já publicou em revistas como Mallarmargens, 7Faces, Zunái e publica com regularidade nas revistas Úrsula e Subversa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica

Metade era
soco

outra metade
sopro

e tudo era tanto
pro meu coração
tão pouco
********** Tapera
O tempo é uma casa
desabitada e esquecida
no meio da estrada.

Quem passou por ela
e viu apenas uma
casa, na verdade não

viu nada.
********** Cânone

aquele poeta
e sua postura
quase mística

escreve
enchendo
linguística
********** Letal

aqueles seios bélicos
apontando seus bicos

...
pequenas torres
do desejo derretendo
em minha
boca ********** Esgrima

metade de mim
é um beco sem saída

caminho sem volta
traçado sem tropeço

lonjuras disfarçadas
desde o começo ********** Gravataria tropical

O homem nos tribunais de cada
dia. A mulher também. Porém,
em inumerável menor número.

Ele na gravata. Ela no salto.

(a vida, na aparência, é o lugar
onde tudo sorri)

A equivalência do salto com a
gravata. A abotoadura digital.
O perfume franco-chinês. Os
babados. Os clichês.

Os que buscam nos códigos
da justiça as leis do sangue
derramado...

Os donos da fome.
Os industriais da infâmia.
Os calhordas da nova ordem.

Os executores do estático
no mundo em movimen…

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui. Vamos juntos!

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo

Não serás feroz como esperam
os milhos estourados
do outro lado da jaula.
Dividirás teu bife
com as moscas.
Não rasgarás carnes
que não são caças,
nem copularás didática.
Às três da tarde
talvez demonstres
um mijo lateral,
teu sono de costas
com um rabo que não espanta
o tédio aos tapas -
mortífero aos pais
e suas crianças.

********** Ave

O tempo autoafirmado -
nunca terei uma irmã.
O tempo -
o que sei de ser mãe
é o que noto na minha.
Por entre as pernas,
as marionetistas
botam os seus bonecos
e gritam por eles -
o tempo!
Um parto sem filho -
sempre brinquei de viver
o que não me acontecia
e mantive meu corpo
intacto.
A arte me amará de volta
quando formos velhas?
Nunca saberei o que é ser uma galinha.
Nunca o que é
o próprio pinto entre as mãos.
********** Chá de bebê

Há tantos hormônios no ar
que preciso tomá-lo lá fora
pra não correr o perigo
de meu corpo ser induzido,
sincronizado a contragosto.
Isso já acontece na eliminação,
todas sabemos.
Será que também ocorre
o contágio do contrário?
Minha barriga está chapada …