Pular para o conteúdo principal

Ma Njanu | três poemas


dois graus menos que ontem é hoje

imagino a sequela da chuva passada
uma cova adentrando a vala
rasa e mais outra e outra
o barro dissolvido à espreita:
qualquer sonata vela teu corpo

a vala o velho a vespa o vírus
abraça a terra,
seu sol gira em torno de nós
gato não pega
rato também não
nem mosca
nem madeira
papéis
escritório
as grandes corporações
o banco

só nós - [antropo]centro do mundo
agora

no entanto, é certa a miséria: aporta no Meireles e vai morrer na Barra.

***********

a queda do céu ao inferno
[dedicado ao humanismo, e os avanços nem tão queridos da modernidade]

quebrou a máquina,
desnecessário é viajar no tempo
se em cada mão cabe cinco ossos
para cada pessoa
não enterrada.

**********

o desaparecimento dos bichos é a modernidade

a galinha vai pro abate
eu consciente
de sua morte,
acaricio sua crista

e digo: vai ficar tudo bem

muitos cheiros entre dialetos
macia é a pelagem

sou carinhosa,

sempre canto seu corpo e não
me delicio nas suas coxas
depois de prosseguir a passagem,

toda ida precede a presença
dos bichos no muro da lembrança

e para quebrar um tijolo em partes distintas não se pode usar as mãos.

//

o cachorro vai pra morte
não consciente
de seu abate,
agoniza na avenida

me demoro à sua cabeça

a multidão é a mesma
nas batidas que envolvem gente:
se amontoam,
dão dicas
mas não fazem nada

eu mesma me paraliso
até que lhe chego perto,
na orelha esquerda um carinho

e digo: vai ficar tudo bem

mesmo assim morre a galinha
cessa a agonia do cachorro

minha mão tem par com a morte e [também] as carícias

são um prenúncio de seu descanso ou não
ninguém quer ouvir que vai ficar tudo bem ou não
outra é a linguagem dos animais desprezados por seus [donos] fascistas

vinte e cinco vezes em marcha fúnebre

na rua curitiba eu e os bichos

os bichos me levam, em iguais noites chove devastosamente - mas mesmo assim,

o céu é estrelado em fortaleza.

***********

Ma Njanu é escritora, poeta, assistente social e educadora popular. Nasceu em Fortaleza-CE. Publicou a obra na boca do dragão da américa latina, (2020), de forma independente e também participa de antologias, zines e outras publicações. É idealizadora do Clube de Leitoras na periferia de Fortaleza e da Pretarau - Sarau das Pretas, coletiva de artistas negras, a qual integra e também é produtora cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor