Pular para o conteúdo principal

Ma Njanu | três poemas


dois graus menos que ontem é hoje

imagino a sequela da chuva passada
uma cova adentrando a vala
rasa e mais outra e outra
o barro dissolvido à espreita:
qualquer sonata vela teu corpo

a vala o velho a vespa o vírus
abraça a terra,
seu sol gira em torno de nós
gato não pega
rato também não
nem mosca
nem madeira
papéis
escritório
as grandes corporações
o banco

só nós - [antropo]centro do mundo
agora

no entanto, é certa a miséria: aporta no Meireles e vai morrer na Barra.

***********

a queda do céu ao inferno
[dedicado ao humanismo, e os avanços nem tão queridos da modernidade]

quebrou a máquina,
desnecessário é viajar no tempo
se em cada mão cabe cinco ossos
para cada pessoa
não enterrada.

**********

o desaparecimento dos bichos é a modernidade

a galinha vai pro abate
eu consciente
de sua morte,
acaricio sua crista

e digo: vai ficar tudo bem

muitos cheiros entre dialetos
macia é a pelagem

sou carinhosa,

sempre canto seu corpo e não
me delicio nas suas coxas
depois de prosseguir a passagem,

toda ida precede a presença
dos bichos no muro da lembrança

e para quebrar um tijolo em partes distintas não se pode usar as mãos.

//

o cachorro vai pra morte
não consciente
de seu abate,
agoniza na avenida

me demoro à sua cabeça

a multidão é a mesma
nas batidas que envolvem gente:
se amontoam,
dão dicas
mas não fazem nada

eu mesma me paraliso
até que lhe chego perto,
na orelha esquerda um carinho

e digo: vai ficar tudo bem

mesmo assim morre a galinha
cessa a agonia do cachorro

minha mão tem par com a morte e [também] as carícias

são um prenúncio de seu descanso ou não
ninguém quer ouvir que vai ficar tudo bem ou não
outra é a linguagem dos animais desprezados por seus [donos] fascistas

vinte e cinco vezes em marcha fúnebre

na rua curitiba eu e os bichos

os bichos me levam, em iguais noites chove devastosamente - mas mesmo assim,

o céu é estrelado em fortaleza.

***********

Ma Njanu é escritora, poeta, assistente social e educadora popular. Nasceu em Fortaleza-CE. Publicou a obra na boca do dragão da américa latina, (2020), de forma independente e também participa de antologias, zines e outras publicações. É idealizadora do Clube de Leitoras na periferia de Fortaleza e da Pretarau - Sarau das Pretas, coletiva de artistas negras, a qual integra e também é produtora cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E