Pular para o conteúdo principal

Ma Njanu | três poemas


dois graus menos que ontem é hoje

imagino a sequela da chuva passada
uma cova adentrando a vala
rasa e mais outra e outra
o barro dissolvido à espreita:
qualquer sonata vela teu corpo

a vala o velho a vespa o vírus
abraça a terra,
seu sol gira em torno de nós
gato não pega
rato também não
nem mosca
nem madeira
papéis
escritório
as grandes corporações
o banco

só nós - [antropo]centro do mundo
agora

no entanto, é certa a miséria: aporta no Meireles e vai morrer na Barra.

***********

a queda do céu ao inferno
[dedicado ao humanismo, e os avanços nem tão queridos da modernidade]

quebrou a máquina,
desnecessário é viajar no tempo
se em cada mão cabe cinco ossos
para cada pessoa
não enterrada.

**********

o desaparecimento dos bichos é a modernidade

a galinha vai pro abate
eu consciente
de sua morte,
acaricio sua crista

e digo: vai ficar tudo bem

muitos cheiros entre dialetos
macia é a pelagem

sou carinhosa,

sempre canto seu corpo e não
me delicio nas suas coxas
depois de prosseguir a passagem,

toda ida precede a presença
dos bichos no muro da lembrança

e para quebrar um tijolo em partes distintas não se pode usar as mãos.

//

o cachorro vai pra morte
não consciente
de seu abate,
agoniza na avenida

me demoro à sua cabeça

a multidão é a mesma
nas batidas que envolvem gente:
se amontoam,
dão dicas
mas não fazem nada

eu mesma me paraliso
até que lhe chego perto,
na orelha esquerda um carinho

e digo: vai ficar tudo bem

mesmo assim morre a galinha
cessa a agonia do cachorro

minha mão tem par com a morte e [também] as carícias

são um prenúncio de seu descanso ou não
ninguém quer ouvir que vai ficar tudo bem ou não
outra é a linguagem dos animais desprezados por seus [donos] fascistas

vinte e cinco vezes em marcha fúnebre

na rua curitiba eu e os bichos

os bichos me levam, em iguais noites chove devastosamente - mas mesmo assim,

o céu é estrelado em fortaleza.

***********

Ma Njanu é escritora, poeta, assistente social e educadora popular. Nasceu em Fortaleza-CE. Publicou a obra na boca do dragão da américa latina, (2020), de forma independente e também participa de antologias, zines e outras publicações. É idealizadora do Clube de Leitoras na periferia de Fortaleza e da Pretarau - Sarau das Pretas, coletiva de artistas negras, a qual integra e também é produtora cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica Metade era soco outra metade sopro e tudo era tanto pro meu coração tão pouco ********** Tapera O tempo é uma casa desabitada e esquecida no meio da estrada. Quem passou por ela e viu apenas uma casa, na verdade não viu nada. ********** Cânone aquele poeta e sua postura quase mística escreve enchendo linguística ********** Letal aqueles seios bélicos apontando seus bicos ... pequenas torres do desejo derretendo em minha boca ********** Esgrima metade de mim é um beco sem saída caminho sem volta traçado sem tropeço lonjuras disfarçadas desde o começo ********** Gravataria tropical O homem nos tribunais de cada dia. A mulher também. Porém, em inumerável menor número. Ele na gravata. Ela no salto. (a vida, na aparência, é o lugar onde tudo sorri) A equivalência do salto com a gravata. A abotoadura digital. O perfume franco-chinês. Os babados. Os clichês. Os que buscam nos códigos da justiça as leis do sangue derramado... Os donos da fome. Os in

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo Não serás feroz como esperam os milhos estourados do outro lado da jaula. Dividirás teu bife com as moscas. Não rasgarás carnes que não são caças, nem copularás didática. Às três da tarde talvez demonstres um mijo lateral, teu sono de costas com um rabo que não espanta o tédio aos tapas - mortífero aos pais e suas crianças. ********** Ave O tempo autoafirmado - nunca terei uma irmã. O tempo - o que sei de ser mãe é o que noto na minha. Por entre as pernas, as marionetistas botam os seus bonecos e gritam por eles - o tempo! Um parto sem filho - sempre brinquei de viver o que não me acontecia e mantive meu corpo intacto. A arte me amará de volta quando formos velhas? Nunca saberei o que é ser uma galinha. Nunca o que é o próprio pinto entre as mãos. ********** Chá de bebê Há tantos hormô nios no ar que preciso tomá-lo lá fora pra não correr o perigo de meu corpo ser induzido, sincronizado a contragosto. Isso já acontece na eliminação, todas sabemos. Se

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui . Vamos juntos!