Pular para o conteúdo principal

Felipe Fleury | cinco poemas


Apneia

Entre um poema e outro,
o que me aflige é a lucidez da cena muda:
o mato crescendo nos seus espaços,
onde tudo é silêncio e desperdício.

Prendo o fôlego dentro do poema
sem desistir de respirar, no entanto
- até o fim da apneia,
meus pulmões serão líquidos -.

Expelirei somente
o que não for algum delírio.

*************

Distopia


Não há utopias à vista,
nem nos sonhos
dos próximos recém-nascidos.

Dias correm como as frentes frias
e ainda não se inventou uma vacina
contra o vírus que transforma pés em cascos.

Logo, florestas caberão em terraços
e os livros servirão como calços,
utensílios erguidos às virtudes da ignorância.

A expansão da fronteira agrícola
não respeitará os semáforos
e as ruas darão lugar a abundantes pastos.

A Terra, enfim, depois de tantas tentativas,
assumirá a forma cúbica e a escatologia
terá o status de ciências humanas.

Os analgésicos não aliviarão sequer as dores.
Personagens anacrônicas da nova ordem,
as flores germinarão da exceção dos jardins.

E o vinho, sem as propriedades curativas
da embriaguez, será como memória que se derrama,
nódoa indelével nesta toalha branca de mesa.

*************

Dias cinzentos


Cai a chuva
sobre a minha cabeça.

Não tenho pressa,
sorvo a elegia da manhã.

Toda a água já foi tratada,
dessalinizada a lágrima.

Manhãs de chuva
não são necessariamente frias

e a saudade nem sempre
se tinge de cinza.

Tardio, embora,
diminuo o passo

até que tudo
se faça imóvel.

O sol vai despontar.
Mas não agora.

*************

Dois capuccinos


Dois cappuccinos
sobre o acre da mesa.

Nas bordas, escombros
de vésperas, sob céus diferentes,
buscavam o mesmo sol.

Pisando em cacos de vidro,
desviavam-se de si mesmos
e, embora dissessem todas as letras,
não pronunciavam as palavras.

Seria arriscado demais falar
para além de suas próprias sombras.

Era preciso não pedir a conta
enquanto não terminava o dia.

Fazia inverno em pleno março
e os cappuccinos ainda aqueciam
as chávenas frias.

*************

A última linha da tarde


Corpo que não envelhece
em barril de carvalho, mas
ao tempo, na intempérie
do forro e da pele, verniz,

máscara da carne, mapa
de relevo acidentado, cacos,
caricatura, estilhaços,
linguagem de sinais:

a ruga, talho do relógio,
que abre fenda até os ossos;
caminho sem volta por onde
corre, escorre o fio da memória.

A nudez, grave gravidade,
espólio dos espelhos enegrecidos,
flagrância captada e retida
nas cataratas da retina.

O frio que corta, cortante,
frêmito, ferida que sangra
em silêncio, gota a gota,
poro a poro e não cicatriza.

A última linha da tarde
se consome na sombra
do tempo que se move,
decalcado no corpo nu.

*************

Felipe Fleury é formado em Direito, funcionário público e mora na cidade de Petrópolis/RJ. Seus poemas integram as antologias dos 33º. e 34º. festivais poéticos do SESC/PR, 2017 e 2018, a antologia em e-book do concurso de poesias da Universidade Federal de São João Del Rey (UFSJ-2018) e foram publicados na Revista Mallarmargens. É um dos organizadores do sarau poético “Saracura”, na cidade de Petrópolis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

2 poemas de Lívia Corbellari

mesmo com fraturas manter se de pé mesmo dentro d´água respirar e fora dela prender o ar prédios desabam dentro de mim  ********** murchando presa longe drenada ainda respira e volta a cuidar dos fetos e das begônias ********** Lívia Corbellari nasceu em 1989, em Salvador (BA), mas mora em Vitória (ES) desde 1996. É jornalista, mantém o projeto literário “Livros por Lívia” e também faz parte do núcleo editorial da Revista Trino, sobre literatura brasileira contemporânea. “Carne viva” é seu primeiro livro de poemas.

Cecília Lobo | seis poemas

Troca de passes Há algo de futebolístico Vende-se compra-se Um passe aqui outro ali Era juiz virou ministro Era parceiro agora crítico Troca-troca de legendas Muitos símbolos Mesmos significados Remanejando numa luta Digna da bolsa de valores Os salários Cargos E peixadas Desses homens Furiosos ************ Memória Mudar todos os nomes De ruas, avenidas, viadutos Condenar os algozes Ainda que velhos ou mortos Queimar seus retratos Em praça pública Desenterrar corpos e arquivos Chamar as coisas pelos nomes certos Golpe de estado Tortura Assassinato Censura Ditadura Lembrar O tempo todo ************* Ventre livre Quanto a nós As mulheres Há que se tentar Viver solta Para evitar Morrer De prisões *********** Em Tremores Pupilas Pausas Ênfases Pés Gestos Bocas Tudo que somos Nos trai Discretamente ************* Crua E esse desejo sempre sobra Transcendendo metáforas Se fosse fome Seria desespero Seria com a daquele filme que você me fez ver Luxúria e asco e excesso E