Pular para o conteúdo principal

Felipe Fleury | cinco poemas


Apneia

Entre um poema e outro,
o que me aflige é a lucidez da cena muda:
o mato crescendo nos seus espaços,
onde tudo é silêncio e desperdício.

Prendo o fôlego dentro do poema
sem desistir de respirar, no entanto
- até o fim da apneia,
meus pulmões serão líquidos -.

Expelirei somente
o que não for algum delírio.

*************

Distopia


Não há utopias à vista,
nem nos sonhos
dos próximos recém-nascidos.

Dias correm como as frentes frias
e ainda não se inventou uma vacina
contra o vírus que transforma pés em cascos.

Logo, florestas caberão em terraços
e os livros servirão como calços,
utensílios erguidos às virtudes da ignorância.

A expansão da fronteira agrícola
não respeitará os semáforos
e as ruas darão lugar a abundantes pastos.

A Terra, enfim, depois de tantas tentativas,
assumirá a forma cúbica e a escatologia
terá o status de ciências humanas.

Os analgésicos não aliviarão sequer as dores.
Personagens anacrônicas da nova ordem,
as flores germinarão da exceção dos jardins.

E o vinho, sem as propriedades curativas
da embriaguez, será como memória que se derrama,
nódoa indelével nesta toalha branca de mesa.

*************

Dias cinzentos


Cai a chuva
sobre a minha cabeça.

Não tenho pressa,
sorvo a elegia da manhã.

Toda a água já foi tratada,
dessalinizada a lágrima.

Manhãs de chuva
não são necessariamente frias

e a saudade nem sempre
se tinge de cinza.

Tardio, embora,
diminuo o passo

até que tudo
se faça imóvel.

O sol vai despontar.
Mas não agora.

*************

Dois capuccinos


Dois cappuccinos
sobre o acre da mesa.

Nas bordas, escombros
de vésperas, sob céus diferentes,
buscavam o mesmo sol.

Pisando em cacos de vidro,
desviavam-se de si mesmos
e, embora dissessem todas as letras,
não pronunciavam as palavras.

Seria arriscado demais falar
para além de suas próprias sombras.

Era preciso não pedir a conta
enquanto não terminava o dia.

Fazia inverno em pleno março
e os cappuccinos ainda aqueciam
as chávenas frias.

*************

A última linha da tarde


Corpo que não envelhece
em barril de carvalho, mas
ao tempo, na intempérie
do forro e da pele, verniz,

máscara da carne, mapa
de relevo acidentado, cacos,
caricatura, estilhaços,
linguagem de sinais:

a ruga, talho do relógio,
que abre fenda até os ossos;
caminho sem volta por onde
corre, escorre o fio da memória.

A nudez, grave gravidade,
espólio dos espelhos enegrecidos,
flagrância captada e retida
nas cataratas da retina.

O frio que corta, cortante,
frêmito, ferida que sangra
em silêncio, gota a gota,
poro a poro e não cicatriza.

A última linha da tarde
se consome na sombra
do tempo que se move,
decalcado no corpo nu.

*************

Felipe Fleury é formado em Direito, funcionário público e mora na cidade de Petrópolis/RJ. Seus poemas integram as antologias dos 33º. e 34º. festivais poéticos do SESC/PR, 2017 e 2018, a antologia em e-book do concurso de poesias da Universidade Federal de São João Del Rey (UFSJ-2018) e foram publicados na Revista Mallarmargens. É um dos organizadores do sarau poético “Saracura”, na cidade de Petrópolis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor