Pular para o conteúdo principal

Felipe Fleury | cinco poemas


Apneia

Entre um poema e outro,
o que me aflige é a lucidez da cena muda:
o mato crescendo nos seus espaços,
onde tudo é silêncio e desperdício.

Prendo o fôlego dentro do poema
sem desistir de respirar, no entanto
- até o fim da apneia,
meus pulmões serão líquidos -.

Expelirei somente
o que não for algum delírio.

*************

Distopia


Não há utopias à vista,
nem nos sonhos
dos próximos recém-nascidos.

Dias correm como as frentes frias
e ainda não se inventou uma vacina
contra o vírus que transforma pés em cascos.

Logo, florestas caberão em terraços
e os livros servirão como calços,
utensílios erguidos às virtudes da ignorância.

A expansão da fronteira agrícola
não respeitará os semáforos
e as ruas darão lugar a abundantes pastos.

A Terra, enfim, depois de tantas tentativas,
assumirá a forma cúbica e a escatologia
terá o status de ciências humanas.

Os analgésicos não aliviarão sequer as dores.
Personagens anacrônicas da nova ordem,
as flores germinarão da exceção dos jardins.

E o vinho, sem as propriedades curativas
da embriaguez, será como memória que se derrama,
nódoa indelével nesta toalha branca de mesa.

*************

Dias cinzentos


Cai a chuva
sobre a minha cabeça.

Não tenho pressa,
sorvo a elegia da manhã.

Toda a água já foi tratada,
dessalinizada a lágrima.

Manhãs de chuva
não são necessariamente frias

e a saudade nem sempre
se tinge de cinza.

Tardio, embora,
diminuo o passo

até que tudo
se faça imóvel.

O sol vai despontar.
Mas não agora.

*************

Dois capuccinos


Dois cappuccinos
sobre o acre da mesa.

Nas bordas, escombros
de vésperas, sob céus diferentes,
buscavam o mesmo sol.

Pisando em cacos de vidro,
desviavam-se de si mesmos
e, embora dissessem todas as letras,
não pronunciavam as palavras.

Seria arriscado demais falar
para além de suas próprias sombras.

Era preciso não pedir a conta
enquanto não terminava o dia.

Fazia inverno em pleno março
e os cappuccinos ainda aqueciam
as chávenas frias.

*************

A última linha da tarde


Corpo que não envelhece
em barril de carvalho, mas
ao tempo, na intempérie
do forro e da pele, verniz,

máscara da carne, mapa
de relevo acidentado, cacos,
caricatura, estilhaços,
linguagem de sinais:

a ruga, talho do relógio,
que abre fenda até os ossos;
caminho sem volta por onde
corre, escorre o fio da memória.

A nudez, grave gravidade,
espólio dos espelhos enegrecidos,
flagrância captada e retida
nas cataratas da retina.

O frio que corta, cortante,
frêmito, ferida que sangra
em silêncio, gota a gota,
poro a poro e não cicatriza.

A última linha da tarde
se consome na sombra
do tempo que se move,
decalcado no corpo nu.

*************

Felipe Fleury é formado em Direito, funcionário público e mora na cidade de Petrópolis/RJ. Seus poemas integram as antologias dos 33º. e 34º. festivais poéticos do SESC/PR, 2017 e 2018, a antologia em e-book do concurso de poesias da Universidade Federal de São João Del Rey (UFSJ-2018) e foram publicados na Revista Mallarmargens. É um dos organizadores do sarau poético “Saracura”, na cidade de Petrópolis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 poemas de Lau Siqueira

Sertânica Metade era soco outra metade sopro e tudo era tanto pro meu coração tão pouco ********** Tapera O tempo é uma casa desabitada e esquecida no meio da estrada. Quem passou por ela e viu apenas uma casa, na verdade não viu nada. ********** Cânone aquele poeta e sua postura quase mística escreve enchendo linguística ********** Letal aqueles seios bélicos apontando seus bicos ... pequenas torres do desejo derretendo em minha boca ********** Esgrima metade de mim é um beco sem saída caminho sem volta traçado sem tropeço lonjuras disfarçadas desde o começo ********** Gravataria tropical O homem nos tribunais de cada dia. A mulher também. Porém, em inumerável menor número. Ele na gravata. Ela no salto. (a vida, na aparência, é o lugar onde tudo sorri) A equivalência do salto com a gravata. A abotoadura digital. O perfume franco-chinês. Os babados. Os clichês. Os que buscam nos códigos da justiça as leis do sangue derramado... Os donos da fome. Os in

3 poemas de Isabela Sancho

Greve no zoo Não serás feroz como esperam os milhos estourados do outro lado da jaula. Dividirás teu bife com as moscas. Não rasgarás carnes que não são caças, nem copularás didática. Às três da tarde talvez demonstres um mijo lateral, teu sono de costas com um rabo que não espanta o tédio aos tapas - mortífero aos pais e suas crianças. ********** Ave O tempo autoafirmado - nunca terei uma irmã. O tempo - o que sei de ser mãe é o que noto na minha. Por entre as pernas, as marionetistas botam os seus bonecos e gritam por eles - o tempo! Um parto sem filho - sempre brinquei de viver o que não me acontecia e mantive meu corpo intacto. A arte me amará de volta quando formos velhas? Nunca saberei o que é ser uma galinha. Nunca o que é o próprio pinto entre as mãos. ********** Chá de bebê Há tantos hormô nios no ar que preciso tomá-lo lá fora pra não correr o perigo de meu corpo ser induzido, sincronizado a contragosto. Isso já acontece na eliminação, todas sabemos. Se

ESTAMOS NO AR!

A Revista Contempo estreia nesse abril de 2020 com o compromisso de circular a poesia brasileira contemporânea. Por acreditar nas revistas e periódicos, digitais ou impressos, como espaços democráticos para a promoção da literatura, temos o prazer de fazer o convite para que originais sejam enviados de acordo com as diretrizes descritas aqui . Vamos juntos!