Pular para o conteúdo principal

Marcos Samuel Costa | seis poemas


Chamas 

Não chamas o deus,
ser não físico, sem matéria,
sem húmus, amo,
não queimará nenhuma lembrança,
a força que fará
não tem água,
não apaga,
ele próprio não queima.

O pesadelo em teu quarto,
gás vazado,
fósforo acesso, estalos,
os dedos se estalaram,
o crime de tenebrosa vertigem,
morra,
a casa fica fora da área de perigo,
habitantes ausentes na festa,
habitantes fugitivos
da guerra sem deus,
atravessam o mar
num navio em chamas.

Não habitará nenhuma
casa humana,
na criação da terra
o deus fez terra e mar,
oceano é palavra moderna,
queimou as paredes,
vejam – a intimidade
do homem exposta.

O homem ficou sem paredes,
o quarto sem segredos,
queimou, junto das páginas
dum livro antigo de Machado,
junto a cartas,
cigarros febris, famintas chamas,
chamas
chamas o deus,
ele não é como tu de carne,
não queima,
não morre
e vira mármore frio,
terra e pó,
cinzas da tarde quente,
o paraíso ficou na parte
obscura dos olhos,
ficou na parte seca dos braços.

************

É no meio da noite

Durante a terrível tempestade,
no meio da noite,
a boca seca, a paixão a secar também,
as horas são desérticas,
tristes como um homem sem seu amor,
feito cacto, terra arrida,
casa vazia em dia de festa.

é no meio da noite que o búfalo
atravessa o campo, na escuridão,
observa com atenção os homens
se armarem, munidos,
a arma de fogo contra o peito,
os pensamentos não fazem efeitos

o remédio é vencido, a nuvem
se desfaz da chuva, se desfaz,
o mar aberto, o homem triste,
pernas abertas, líquido,
a outra nuvem chega,
a outra nuvem é feita de gafanhotos,
devora.

***********

Arapinã

a ponte e o nome
o rio corre em baixo
tintas de sangue

ilusão vermelha

(timbu u u
           u u m)

volta com vísceras nas mãos
o pensamento do menino molhado
já sem cabeça
troco &
membros

***********

Urinduba

A fresta que se abre feito ferida,
a casa erguida sem sustento,
que corre sozinha
todos os dias,
nas ruas movimentadas
da cidade,

paredes invisíveis,
sentimentos repugnantes,
mas nada disso se ver
no açougue da esquina,
na ferra que tritura os ossos
e faz ruminar
a paisagem cansativa do amor

no olhar de quem
despedaça a carne morta,
cubos, quadrados,
tiras e pedaços,
mas nada disso se ver
na casa do poeta,
nas mãos pobres
de quem treina o latim,

busca a raiz da palavra “flutuação”,
dicionários, livros e fórmulas,
mas tudo isso é em vão,
com ou sem força
o guarda-chuva se abre,

cobre o sol, o amor,
a pessoa amada e a conjugação,
o estado mata, cria funções
desconhecidas das línguas,
proporções,
antíteses, esconde segredos
e corpos,

mas o corpo morto
carrega uma montanha,
esconde um cão
dentro da boca,
fala com a criança
ainda morta dentro
da mãe,
transporta as águas do rio Urinduba

até o deserto,
imunda todo o planeta,
canta dentro de uma igreja
caída,
ruinas de uma casa,
o pão, a carne,
feito sangue a água
corre.

************

Domingos infelizes

Piscina de beira:
de praia
do abismo

(rasa)

Entre muros.
pés
manga-cajus-arvoredo

(ara)

Piscina feita para
solidão
corta
a

(asa)

*************

Mortos

São duas da tarde
você acorda
seu vizinho martela
infernalmente algo na casa dele
chegas a pensar que é na porta
que batem
mas não
você é sozinho

ele parou...
depois que te acordou ele parou
sabe lá o que ele estava pregando,
penso que seja o corpo
de suas crianças
mortas na cozinha,
seus desastres imóveis
na ideia fixa de felicidade

logo lembro que
a vida particular de um
homem não me interessa
levanto e passo a martelar
com força meus leves
surtos na parede
não acordo meus mortos
domésticos
meus abismos onipresentes

alguém dessa vez bate na porta
é o vizinho pedindo
para acabar com
tanto barulho
antes dele piscar os olhos
lhe beijo a boca por
não sei se amor ou ódio.



*************

Marcos Samuel Costa é natural de Ponta de Pedras - Ilha de Marajó - Amazônia brasileira. Poeta, contista, cronista e romancista, vem se destacando no cenário da produção do Norte. Atualmente cursa Serviço Social UFPA e mora em Belém do Pará. Vive perdido no caos da cidade grande e entre livros de poesia. Autor dos livros de poemas: Sentimentos de um século 21 (Multifoco Editora, 2014), Uma semana de poesia (Editora Penalux, 2016), Caminhos para Longitude (Ed. Kazuá, 2019); do romance Dentro de um peixe (ed. Folheando, 2020); o livro infantil “Memórias quase póstumas de um pato”, em parceria com Miriam Daher. Publicou “Semblantes de nós” (ed. Folheando, 2018) em parceria com a poeta Ana Meireles. Participou de mais de 20 antologias literárias e publicou nas revistas: Mallarmargens, contemporArtes, Marinatambalo, Gueto, e Ruído Manifesto, entre outras. Mantém o blog, Someplace (2010-2020), onde divulga sua produção, e é um dos editores do Jornal Crescendo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Marina Magalhães | três poemas

Prelúdios do afogamento. Para violino. Por fim, quando deixarás de alimentar os teus naufrágios? Me perguntaste sem saber que tripulação alguma deseja a própria morte. Nada podem fazer se a carcaça, já tão cheia de buracos, continua       sempre            a afundar.                   A marcha                   fúnebre faz                   glub.                   glub.                   g                   l                   u                   b. *********** Amor de prateleira Os dias vêm sobrando, transbordadas as horas pelo vidro. Tempo deixado em conserva é salgado demais para gente [hiper]tensa. E amassados pelas quatro paredes, a pressão só aumenta. O medo não é que pare o coração. É que ele escorra para fora do copo de conserva, licoroso sobre a estante. O resto engarrafado em plástico sem rótulo. Fosse ele a sobra desvalida. Esquecido, até passada a data de vencimento. *********** Não posso me exilar de mim Melhor seria dar adeus à nossa pátria, é a história que

4 poemas de Divanize Carbonieri

Asfixia asfixia das salas de estar nossa onipresença ainda sã passeia pelas peças tomadas por tantos alvéolos flutuantes num ar paralisado e viscoso as vias que levam à varanda também estão atravancadas as mãos em torno da garganta só não estrangulam a vontade de apenas voltar a respirar o pulmão fibroso aguarda sobre a travessa de faiança que o desfaçam em filetes para alimentar os pássaros pousados no nevoento quintal muitas criaturas ainda vivem embora a morte vã já tenha contaminado nossas camas conectadas que estamos aos poucos respiradores de sonhos o último sopro será dado entre as parcas paredes da casa prestes a sucumbir enquanto os cães ocupam o asfalto que cede sem nós *********** Verniz o ovo não escorregou da mão nem foi o leite que se derramou o pão não se perdeu para o bolor nem a carne se encheu de vermes se a comida permanece intacta por que há a sensação de falta uma escassez que não é de víveres ameaça o verniz de normalidade ninguém mais pode se

6 poemas de Calí Boreaz

efeito kahlo kuleshov estou imóvel suspeito que me tornei um quadro com debrum de areia pequenas conchas e pontas de cigarro à minha beira está o mar em março ele desatentamente cospe nos meus pés. e através de mim desamarro o vendaval morse / não escutes. ainda estou imóvel sobre mim-onde há uma constelação de abutres como uma indecisão boiando aos fundos de mim-quando há a ficção citadina inacessível entre o tempo da água e o destempero do asfalto a destempo tento — ainda — criar poesia / ay llorona / olhos negros / e crio silêncios. basaltos. silêncios a fazerem sala às tuas perguntas no horário nobre do despresente faço um esforço — me recorto dou um passo na via láctea meus pés imprimindo a marca de água e enquanto me arranco à imobilidade / as tuas perguntas / a cidade se petrifica basaltos. silêncios. solidões acústicas presas na véspera — ou num dia advindo a gastarem-se companhia no horário nobre da vida que é a fina presença da mor